Política

Depois de Salvador, Rio de Janeiro cancela festa de réveillon: 'Respeitamos a ciência'

'Como são opiniões divergentes entre comitês científicos, vamos sempre ficar com a mais restritiva. O Comitê da prefeitura diz que pode. O do Estado diz que não. Então não pode', disse o prefeito.


Divulgação
Depois de Salvador, Rio de Janeiro cancela festa de réveillon: 'Respeitamos a ciência
Crédito: Divulgação

O prefeito Eduardo Paes anunciou na manhã deste sábado (4) em suas redes sociais que decidiu cancelar a celebração oficial do réveillon no Rio.

“Respeitamos a ciência. Como são opiniões divergentes entre comitês científicos, vamos sempre ficar com a mais restritiva. O Comitê da prefeitura diz que pode. O do Estado diz que não. Então não pode. Vamos cancelar dessa forma a celebração oficial do réveillon do Rio”, disse Paes.

O prefeito disse que toma a decisão com tristeza, mas que não tem como organizar a celebração sem a garantia de todas as autoridades sanitárias. "Infelizmente não temos como organizar uma festa dessa dimensão, em que temos muitos gastos e logística envolvidos, sem o mínimo de tempo para preparação", garantiu.

As autoridades públicas passaram a semana discutindo questões de segurança e sanitária para a realização das festas de fim de ano e que medidas adotar após a chegada da nova variante ômicron ao país.

"Se é esse o comando do Estado(não era isso o que vinha me dizendo o governador), vamos acatar. Espero poder estar em Copacabana abraçando a todos na passagem de 22 para 23. Vai fazer falta mas o importante é que sigamos vacinando e salvando vidas", disse o prefeito.

Na quinta-feira (2), a prefeitura do Rio ampliou o passaporte da vacinação para acessar diversos estabelecimentos como restaurantes, bares, hotéis e salões de beleza.

Há quatro dias consecutivos o Rio não tem registro de mortes por Covid. Entre os dias 29 de novembro e 2 de dezembro não houve óbito causado pela doença.

Exigem o passaporte:
bares, lanchonetes, restaurantes e refeitórios (áreas internas ou cobertas);
boates, casas de espetáculos, festas e eventos em geral;
hotéis, pousadas e aluguel por temporada;
salões de beleza e centros de estética;
academias de ginástica, piscinas, centros de treinamento, clubes e vilas olímpicas (já era exigido);
estádios e ginásios esportivos (já era exigido);
cinemas, teatros, salas de concerto, salões de jogos, circos, recreação infantil e pistas de patinação (já era exigido);
museus, galerias e exposições de arte, aquário, parques de diversões, parques temáticos, parques aquáticos, apresentações e drive-in (já era exigido);
conferências, convenções e feiras comerciais (já era exigido).

No Rio, toda a população de 12 anos ou mais precisa ter tomado a 2ª dose. No entanto, 600 mil pessoas não retornaram aos postos para tomar a segunda dose.

Nesta quinta, o Rio alcançou a marca de 90% da população de 12 anos ou mais de idade com o ciclo completo da vacina contra a Covid, segundo a Secretaria Municipal de Saúde.

 


Notícias relevantes: