Política

Queiroga diz que DataSUS deve ser normalizado até 1ª quinzena de janeiro


DIVULGAÇÃO
Queiroga diz que DataSUS deve ser normalizado até 1ª quinzena de janeiro
Crédito: DIVULGAÇÃO

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou hoje esperar que os dados do DataSUS voltem a estar disponíveis normalmente até a primeira quinzena de janeiro. Ainda assim, admitiu que não é possível definir uma data certa e disse que a situação é uma "luta diária".

"A expectativa é de ter isso no prazo mais curto possível. Agora no mês de janeiro, na primeira quinzena de janeiro, nós esperamos estar com esses dados estabilizados. Mas nunca dá para cravar, né? Porque é uma luta diária essa questão contra essas ameaças", declarou, em coletiva.

O apagão de dados causado por ataques hackers a sites e plataformas do Ministério da Saúde completou 21 dias nesta sexta. Por conta dele, desde 10 de dezembro, há falhas na divulgação dos dados relacionados à covid-19.

De acordo com o o Ministério da Saúde, o e-SUS Notifica, plataforma que reúne informações sobre casos e mortes em decorrência da covid-19, foi restabelecido no último dia 21. Ainda assim, alguns estados dizem estar enfrentando problemas.

A falta de dados precisos dificulta a análise dos cenário da covid-19 no país. Devido à situação, não é possível mensurar com exatidão o tamanho da queda que a média de mortes registrada hoje representa, ainda que se saiba que o país vive uma tendência de redução no número de mortes pela covid-19.

O ConecteSUS, aplicativo para que o cidadão comprove a vacinação contra a covid-19, ficou fora do ar por cerca de duas semanas. Quando voltou, ainda estava instável por um período.

Hoje, Queiroga buscou ressaltar que a Polícia Federal investiga os ataques virtuais e minimizar o problema do acompanhamento dos dados dentro do ministério.

"Nunca ficamos no escuro, porque os dados chegam ao Ministério da Saúde. Esses dados são processados no âmbito da Secretaria de Vigilância em Saúde. E nós acompanhamos a evolução da pandemia em todos os estados e municípios", afirmou.


Notícias relevantes: