Política

Bolsonaro quer blindar três ministérios dos avanços do centrão


Divulgação
Bolsonaro quer saúde, infraestrutura e desenvolvimento fora da política
Crédito: Divulgação

Com o calendário eleitoral se aproximando, a pressão de aliados pela reforma ministerial aumenta. Mas o presidente Jair Bolsonaro (PL) pretende blindar três pastas dos avanços do centrão: Saúde, Infraestrutura e Desenvolvimento Regional.

Segundo relatos de ministros e auxiliares palacianos, o mandatário considera esses ministérios sensíveis pelo volume de orçamento, em especial destinados de emendas parlamentares, e pela importância em ano eleitoral.

Infraestrutura e Desenvolvimento Regional são cobiçados por congressistas por realizarem as principais obras do governo federal nos estados.

Segundo o próprio Bolsonaro, 12 dos 23 ministros devem deixar a Esplanada no final de março. A lei determina que autoridades devem deixar cargos públicos em abril para disputar as eleições.

Em entrevista a jornalistas no sábado (8), o presidente admitiu a possibilidade de parlamentares assumirem ministérios, mas disse que serão feitas "escolhas internas", e que "dificilmente vai ter um acordo por fora".

"Já começamos a pensar em nomes, alguns já estão mais do que certos", disse. "(Mas) Não quero falar agora, porque vai começar uma ciumeira: por ele e não eu? E ciúme de homem é pior do que mulher".

Dessas vagas, em apenas uma o sucessor é dado como certo por auxiliares de Bolsonaro: Infraestrutura. O secretário-executivo, Marcelo Sampaio, deve assumir o lugar de Tarcísio de Freitas. O titular articula candidatura ao governo de São Paulo.

Considerado técnico, Sampaio é engenheiro de formação e servidor de carreira do Ministério da Economia. Além disso, conta com o apoio de Tarcísio e do ministro da Secretaria-Geral, Luiz Eduardo Ramos, de quem é genro.

Na Saúde, com orçamento de R$ 160,5 bilhões, a expectativa é que Marcelo Queiroga não concorra a nenhum cargo. Ele já foi cotado a deputado federal e senador pela Paraíba, mas interlocutores do ministro dizem que ele desistiu ao perceber que o cenário no estado não era favorável.


Notícias relevantes: