Política

Reforma trabalhista de Lula preocupa Alckmin, diz aliado

PAULINHO DA FORÇA Deputado e presidente nacional do Solidariedade, Paulinho conversou nesta segunda com Geraldo Alckmin


AGÊNCIA BRASIL
O ex-governador Geraldo Alckmin mostrou 'incômodo' com postagem de Lula sobre reforma trabalhista
Crédito: AGÊNCIA BRASIL

Cotado para ser vice na chapa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) à Presidência, o ex-governador Geraldo Alckmin (sem partido) manifestou preocupação com a proposta de revogação da reforma trabalhista encampada por setores petistas.

Em café da manhã nesta segunda-feira (10) com o presidente nacional do Solidariedade, o deputado federal Paulo Pereira da Silva (SP), "Paulinho da Força", Alckmin pediu informações sobre a revogação de pontos da reforma trabalhista na Espanha e quis saber a opinião das centrais sindicais sobre o tema.

Segundo Paulinho, Alckmin disse que há apreensão no mercado sobre a possibilidade de revisão da reforma trabalhista conduzida pelo ex-presidente Michel Temer (MDB). O ex-governador também pediu que o deputado lhe encaminhasse material sobre o assunto, como sugestão de emendas.

Na conversa, Paulinho oficializou o convite para que Alckmin se filie ao Solidariedade, "onde o ex-tucano teria total liberdade e poderia compor a chapa com Lula."

A percepção de interlocutores de Alckmin é a de que ele abandonou de vez a ideia de concorrer ao Governo de São Paulo e tem mirado no plano nacional, falando de questões do país, como desemprego e isolamento em relação a outros países.

Ainda de acordo com Paulinho, o entendimento de Alckmin é o de que a 'terceira via' não tem chances na eleição - que deve ser decidida entre Lula e Jair Bolsonaro (PL). Com Alckmin vice, a vitória petista poderia vir no primeiro turno, na avaliação dos aliados do ex-governador.

O movimento para unir Alckmin e Lula partiu do PSB, que filiaria o ex-tucano e formaria uma federação com o PT nas eleições. Para isso, porém, os partidos teriam que unificar candidaturas a governador em cinco estados.

O cenário mais difícil é o de São Paulo, em que Márcio França (PSB) e Fernando Haddad (PT) pleiteiam a candidatura a governador.

O encontro com Paulinho sinaliza que Alckmin não depende da filiação ao PSB para compor a chapa com Lula - Solidariedade e PV também são opções, num contexto em que as negociações entre PT e PSB estão travadas diante do impasse paulista.

Paulinho argumentou que o PSB tem se valido da negociação com o ex-governador de São Paulo para exigir apoio do PT a seus candidatos a governos estaduais. Alckmin admitiu a possibilidade de se filiar ao Solidariedade. Mas não deu resposta.

"Aqui [no Solidariedade], Alckmin não seria usado como moeda de troca", disse.

Segundo Paulinho, Alckmin não mencionou as recentes manifestações de Lula e da presidente do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PR), favoráveis à iniciativa do governo espanhol, que revogou a reforma trabalhista local.

No dia 4, Lula publicou um post afirmando ser "importante que os brasileiros acompanhem de perto o que está acontecendo na reforma trabalhista da Espanha, onde o presidente Pedro Sanchez está trabalhando para recuperar direitos dos trabalhadores" - comentário que preocupou Alckmin, segundo Paulinho da Força.


Notícias relevantes: