Política

Secretário de Biden espera 'eleições justas' no Brasil


DIVULGAÇÃO
Lloyd Austin, ministro da Defesa dos Estados Unidos
Crédito: DIVULGAÇÃO

O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Lloyd Austin, afirmou ontem (27) ao ministro da Defesa brasileiro, general Paulo Sérgio Nogueira, que o governo Joe Biden espera que o Brasil mantenha a tradição de realizar eleições justas e transparentes neste ano.

O comentário foi feito durante reunião bilateral entre as autoridades, segundo três fontes com conhecimento do que foi discutido. No encontro, de cerca de 40 minutos, Austin falou rapidamente sobre as eleições brasileiras.

A declaração foi entendida pelo lado brasileiro como uma tentativa do governo americano de reafirmar que tem acompanhado com preocupação a retórica do presidente Jair Bolsonaro (PL) de questionar o sistema eleitoral e atacar as urnas.

Segundo os relatos, Nogueira defendeu a atuação das Forças Armadas junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), lembrou que elas foram convidadas pela corte para participar do processo eleitoral e disse que os militares têm trabalhado justamente para garantir que as eleições sejam livres e transparentes.

Ainda de acordo com relatos, o ministro da Defesa respondeu aos americanos que os militares vão contribuir para que, no pleito, todos os brasileiros possam votar livremente no candidato que julgarem o mais correto e adequado.

Havia a expectativa de que Lloyd Austin fizesse coro aos pedidos para que os militares respeitem o sistema democrático no Brasil. Uma autoridade da Defesa americana informou à agência Reuters, sob condição de anonimato, que o secretário de Joe Biden faria o gesto como resposta às insinuações golpistas de Bolsonaro.

No encontro, apesar do recado, Austin não foi incisivo nem criticou a participação de militares no processo eleitoral brasileiro. Segundo relatos, em tom diplomático, o secretário americano ressaltou que existe uma conexão profunda entre os dois países cujos pilares são a democracia, as eleições justas e os direitos humanos.(FP)


Notícias relevantes: