Política

Câmara volta com projeto de valorização da vinicultura

T_DSC_5510
Crédito: Reprodução/Internet
A Câmara de Jundiaí realiza hoje (4) a sua primeira sessão ordinária após o recesso parlamentar de 30 dias. Antes realizadas no período noturno, as sessões tiveram seu horário alterado para as 9h até o final da pandemia do novo coronavírus, como uma maneira de economizar recursos com horas extras e por não estar sendo permitida a entrada de munícipes no plenário, por medidas de precaução. Mesmo após um mês de paralisação, nenhum projeto de grande relevância foi apresentado para a volta do trabalhos. Será votado o projeto de autoria do Dr. Wagner Ligabó (Cidadania) em parceria com o vereador Antônio Carlos Albino (PL), que estipula a criação da Campanha de Valorização da Vinicultura Jundiaiense. A princípio, a campanha coincidiria com a data de realização da Festa da Uva, no final do mês de janeiro. Contudo, após diversas entrevistas com vinicultores de Jundiaí, notou-se a necessidade de incluir outra data para a realização de eventos na metade do ano. O motivo dessa necessidade é o fato de que a Festa da Uva é hoje a principal fonte de renda dos vinicultores, e responsável pela sobrevivência dos mesmos por pelo menos seis meses do ano. Entendeu-se então a necessidade de criação de outro evento em julho para dar mais fôlego às vendas de vinhos e uvas. Tal mudança foi proposta por meio de uma emenda, que também será votada junto com o projeto. Em Jundiaí, existem 22 vinícolas. “Nossa intenção será alterar o projeto inicialmente apresentado para criar uma data de valorização dos produtores de vinho em julho, com um evento alusivo que cumpra a mesma função: vender a produção para que as adegas se mantenham pelo restante do ano”, justifica Ligabó. Também será votado o projeto de lei que institui a Campanha de Incentivo à Esterilização de Cães e Gatos, a ser promovida pela sociedade civil organizada, destinada aos animais que vivem em logradouros públicos, mas que são cuidados por moradores das comunidades locais, chamados de tutores comunitários. O principal objetivo da campanha é diminuir a quantidade de animais nas ruas. “Considerando que tais animais estão mais sujeitos à procriação descontrolada, o que representa grave problema de saúde pública, é essencial que sejam esterilizados cirurgicamente (castrados), evitando-se aumento dessa população de animais errantes”, diz o vereador Leandro Palmarini (PL). O texto também determina que, quando realizada a esterilização, caso não ocorra a adoção plena do animal, este poderá ser devolvido aos cuidados dos tutores comunitários.

Notícias relevantes: