Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Derrotados, candidatos a governador do PSL flertam com nomeações e miram 2020

FOLHAPRESS | 21/01/2019 | 14:57

Se Magno Malta (PR), candidato a senador no Espírito Santo, se frustrou duplamente, primeiro com a derrota nas urnas e depois por ter sido descartado pelo aliado Jair Bolsonaro (PSL) na formação do seu ministério, seu colega de chapa Carlos Manato (PSL-ES) teve mais sorte.
O candidato de Bolsonaro ao governo capixaba perdeu a eleição, mas foi nomeado para a Secretaria Especial para a Câmara, ligada à Casa Civil de Onyx Lorenzoni. Também emplacou a mulher, Soraya Manato (PSL-ES), como deputada federal e vai presidir o Conselho do Sebrae no ES.
Coube a ele ainda presidir e organizar o PSL no Espírito Santo –tarefa da qual se incumbiram também a maior parte dos candidatos bolsonaristas derrotados nos estados, já que, assim como Malta, não foram nomeados.
Alguns não perderam a esperança. “Estou aguardando, como presidente do partido, que estive à frente da candidatura de Bolsonaro aqui no Maranhão, estou aguardando ser chamado. Eu não vou atrás, estou esperando. Se não for chamado, paciência”, afirma Francisco Carvalho, presidente do PSL-MA.
Maura Jorge, que foi candidata do PSL ao governo do Maranhão, “está em Brasília pleiteando cargos”, diz Carvalho, deixando transparecer um afastamento entre eles.
Maura afirmou à reportagem que tem conversado com os ministros para mostrar “a necessidade de atenção sobre os órgãos federais, para que eles não sejam usados como instrumentos de manipulação política”. “O Maranhão é o único estado ainda comandado por um governo comunista”, diz a respeito da reeleição de Flávio Dino (PC do B).
Samoel de Itapecuru, candidato a senador no estado, colocou seu nome à disposição para disputar pelo PSL a prefeitura de São Luís no ano que vem. A projeção para as eleições de 2020 é outro caminho comum entre os bolsonaristas derrotados.
“A determinação do presidente [do PSL nacional] Luciano Bivar é que o partido lance o maior número de candidatos possíveis nas cidades, principalmente nas maiores”, afirma Carvalho.
A maioria dos candidatos consultados pela reportagem rejeita indicações no governo federal. “Vestimos a camisa contra o toma lá, dá cá”, diz Antonio Jorge Godinho, presidente do PSL no Tocantins.
Candidato derrotado ao Senado, é um dos nomes para tentar a prefeitura de Palmas. “Estou organizando o partido em todos os municípios.”
“Queremos lançar candidatos em 50 municípios e trabalhar para eleger ao menos cem vereadores”, afirma Flávio Moreno, presidente do PSL em Alagoas e também candidato derrotado ao Senado. Ele e Josan Leite, que foi candidato a governador, pretendem disputar cargos em 2020.
Moreno, agente da Polícia Federal, diz não estar preocupado com cargos no governo federal. “Indicações têm que ter critérios técnicos.”
Ainda que não tenham sido nomeados, os candidatos do PSL contribuem com o governo Bolsonaro. “Durante a transição estive pessoalmente e entreguei 17 propostas para o Nordeste, incluindo a dessalinização”, afirma Moreno.
Cearenses escolhidos para ocupar cargos no governo federal tiveram o aval de Heitor Freire, eleito deputado federal e presidente do PSL no Ceará. “Não me sinto confortável em indicar gente, mas fui consultado. Tem que acabar com esse balcão de negócios”, diz.
Os nomeados não são do PSL. Guilherme Theophilo, secretário nacional de Segurança Pública, foi candidato do PSDB ao governo do Ceará. Sua colega de chapa, a médica Mayra Pinheiro (PSDB), candidata derrotada ao Senado, é secretária no Ministério da Saúde. Também é cearense o secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues.
No Ceará, o PSL quer lançar candidatos em todas as cidades em 2020. Os candidatos derrotados ao Senado e ao governo continuam no partido. Freire também tem conversado para atrair políticos de outras siglas. A migração também é impulsionada no Maranhão, por exemplo.
Fábio Sérvio, ex-candidato a governador no Piauí e presidente estadual do PSL, diz ter feito uma indicação técnica para o comando da Codevasf (Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba).
Derrotado em 2018, afirma que há um movimento natural, “sentido nas redes sociais”, de lançar seu nome como pré-candidato em Teresina.
“A gente tem um desafio muito grande no Piauí, como em todo Nordeste, que é vencer o PT”, afirma Sérvio.
A maior parte dos candidatos a governador do PSL que perderam a eleição é do Nordeste: Alagoas, Ceará, Maranhão, Piauí e Sergipe. O partido também lançou candidatos sem sucesso no Acre, Amapá, Tocantins, Espírito Santo e Paraná. Venceu em Roraima, Rondônia e Santa Catarina.
Coronel Ulysses, candidato a governador no Acre, é o nome do partido para disputar a prefeitura de Rio Branco. Já Eduardo Cassini, que pleiteou o governo de Sergipe pelo PSL, quer uma vaga na Assembleia Legislativa em 2022.
Cassini, porém, vai deixar o PSL. Ele apoiou Fernando Haddad (PT) no segundo turno e Belivaldo Chagas (PSD) no estado. À reportagem, disse ver boas medidas sendo tomadas no âmbito federal e estadual.

Entorno da EE Albino Mello de Oliveira, no bairro do Engordadouro

Entorno da EE Albino Mello de Oliveira, no bairro do Engordadouro


Link original: https://www.jj.com.br/politica/derrotados-candidatos-a-governador-do-psl-flertam-com-nomeacoes-e-miram-2020/
Desenvolvido por CIJUN