Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Do “Novo”, Rogério Chequer debater propostas por São Paulo

BÁRBARA MANGIERI - bmangieri@jj.com.br | 16/03/2018 | 03:27

Pré-candidato ao governo de São Paulo pelo partido Novo, Rogério Chequer é engenheiro de produção, empresário e um dos fundadores do movimento “Vem Pra Rua”, protagonista nos protestos pró-impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). Ele estará em Jundiaí na próxima quinta (22) acompanhado do presidenciável do partido, João Amoedo, e de demais pré-candidatos da Região para que possam apresentar suas propostas à população local. Antes, porém, Chequer concedeu uma entrevista exclusiva ao JJ. Confira:

Quais suas propostas para o Governo de São Paulo?
A bandeira do Novo é fazer as poucas coisas que o Estado deve fazer com excelência: garantir educação, saúde, segurança pública e saneamento. A ineficiencia do Estado não é aleatória, é pré-desenhada para atender a interesses políticos que inevitavelmente levam à corrupção. Por isso, a melhoria dessas estruturas passa por privatizações de empresas que não deveriam ser públicas. A proposta econômica do Novo é evidente. Quais são suas posições sobre pautas sociais, como casamento gay, aborto e drogas? No Novo, cada candidato é livre para ter suas próprias posições. Acreditamos que o Estado já interfere demais na vida das pessoas, que têm condições de escolher o que acham melhor. Por isso, eu particularmente acho que os cidadãos são livres para escolher com quem se casam. Quanto ao aborto, é uma pauta federal, mas acho que as mulheres devem ser consultadas, pois a liberdade delas é afetada. Drogas exigem um debate muito grande, pois envolvem a criminalidade.

Como você avalia a gestão tucana, que comanda São Paulo ´há quase 24 anos?
Eu acho lamentável que eles estiveram no poder por tanto tempo e vão entregar um estado com educação, saúde e segurança de baixíssima qualidade.

Como analisa seus possíveis concorrentes – Márcio França (PSB), João Doria (PSDB) e Paulo Skaf (MDB)?
O França é vice-governador e, portanto, é co-autor do estado deplorável em que São Paulo se encontra. O Doria prejudica a política ao descumprir a promessa de representar os paulistanos por quatro anos. É um enorme desperdício não se cumprir o básico, que é seu mandato. Skaf não é pré-candidato declarado, prefiro não comentar.

Você nunca ocupou um cargo político antes. É um candidato sem experiência. Acha que tem chances?
Será que a população quer o tipo de experiência que os políticos tradicionais trazem? Muitos deles têm experiência em fazer conluios, acordos, esquemas e concessões em troca de dinheiro de campanha. A população não quer alguém que faça diferente?


Link original: https://www.jj.com.br/politica/do-novo-rogerio-chequer-debater-propostas-por-sao-paulo/
Desenvolvido por CIJUN