Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Em situação de emergência, Aglomerado depende de recursos de fora

Angelo Augusto Santi | 15/05/2020 | 05:02

A pandemia do novo coronavírus (covid-19) tem obrigado as prefeituras a reorganizarem seus gastos, principalmente para suprir as necessidades da área da Saúde, que teve um considerável aumento da demanda nas últimas semanas. E no Aglomerado Urbano de Jundiaí não tem sido diferente. Além de economizar recursos, como no caso da redução de salários dos servidores, a ajuda vinda do governo do estado e da União tem sido fundamental para o combate ao covid-19.

Só em Jundiaí, foram R$ 4,1 milhões do governo estadual para a criação do hospital de campanha, em parceria com o 12º GAC, R$ 9 milhões da União repassados diretamente ao Hospital São Vicente para a montagem de novos leitos, exclusivos a pacientes de covid-19, e outros R$ 5,6 milhões que estão sendo direcionados para ações de saúde e assistência social. A queda na arrecadação da prefeitura foi de cerca de 20% no mês de abril.

Nos municípios menos ricos da Região, a ajuda externa tem sido ainda mais importante. A Prefeitura de Várzea Paulista informou que os municípios do Aglomerado pactuaram ações regionais, como o pedido para que o governo do estado libere leitos de UTI no Hospital Regional. Os gastos no município ainda não aumentaram e não está faltando recursos para os insumos. Porém, estima-se uma queda na arrecadação que pode impactar também na saúde em um futuro prévio.

Jarinu também tem trabalhado com recursos próprios e advindos do estado. Recentemente foi comprado um respirador artificial no valor de R$ 88 mil reais e a prefeitura tem adquirido insumos e EPIs para os hospitais, que têm dado conta da demanda da cidade.

A Secretaria de Saúde de Cabreúva informou que tem usado a ajuda externa para fazer diversos investimentos estruturais, em equipamentos, medicamentos e em recursos humanos, e por enquanto, têm sido o suficiente. O que vem ocorrendo é uma certa dificuldade na compra de alguns equipamentos de proteção individual (EPIs) devido à falta de fornecedores.

Em Itupeva já foi realizado o credenciamento dos leitos destinados a atender casos de covid-19, bem como leitos comuns e de UTI no Hospital Municipal Nossa Senhora Aparecida. Também foi montado um hospital de campanha, em caso de necessidade. Grande parte dos valores empregados é do governo federal e do governo estadual, além de recursos próprios, priorizando as demandas relacionadas à covid-19 e gerenciando as demais doenças.

Nesta semana, o Congresso Nacional aprovou que mais R$ 9 bilhões da União sejam destinados a estados e municípios. Os recursos serão originários do FRM (Fundo de Reserva Monetária), que é coordenado pelo Banco Central (BC), que não recebe recursos desde 1988.


Link original: https://www.jj.com.br/politica/em-emergencia-aglomerado-depende-de-recursos-de-fora/
Desenvolvido por CIJUN