Política

Protesto pela prisão de Lula leva mil pessoas à 9 de Julho


PROTESTO CONTRA LULA NA 9 DE JULHO
Crédito: Reprodução/Internet

Cerca de mil pessoas se reuniram na avenida Nove de Julho, embaixo do viaduto da avenida Jundiaí, para pedir ao Supremo Tribunal Federal (STF) que negue o habeas corpus preventivo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). A estimativa de público é do coordenador do movimento Vem Pra Rua, Leonardo José Porto Ferreira, que organizou o protesto junto com o Movimento Brasil Livre na cidade (MBL Jundiaí). “No pico do protesto, às 19h30, conseguimos reunir umas três mil pessoas”, calculou Leonardo. A Polícia Militar não confirmou os números. De cima do carro de som, os organizadores gritavam palavras de ordem e discursavam contra alguns ministros do STF. “Como pode quem vai julgar o presidente ser nomeado por ele?”, questionou um deles. “Enquanto for assim, teremos um tribunal político e não jurídico”, reclamou. “Quem tem bandido de estimação é petista, comunista. Vamos prender todos eles”, bradou outra organizadora. Leonardo fez questão de reiterar a todos os presentes o que já havia declarado ao JJ em entrevista concedida na segunda (2), “Não perseguimos um ou outro, queremos todos os corruptos na cadeia. O Lula, porém, vai abrir precedente para liberar muita gente da prisão. Não só outros políticos, mas também traficantes, pedófilos. Ele é o símbolo da impunidade”, disse, na ocasião. Às 20h, a organização do evento conseguiu autorização da PM para caminhar pela avenida até o Shopping Paineiras e voltar. O público, formado por pessoas de todas as idades, inclusive crianças, seguiu o carro de som gritando “Lula na cadeia”, “Lula ladrão, seu lugar é na prisão”, “Lula cachaceiro, devolve meu dinheiro” e “A nossa bandeira jamais será vermelha”. Debochando de protestos organizados pela esquerda, que são frequentemente acusados de pagar aos manifestantes para comparecer, o público de ontem bradou “eu vim de graça”. O hino nacional também foi entoado pelos presentes. Os amigos Lucas Cunha, 19 anos, e Jefferson Augusto, 23, disseram que a justiça os motivou a sair às ruas. “Temos que mostrar nossa indignação, mas de forma pacífica. Não tem ninguém aqui mascarado ou jogando bomba em posto de gasolina”, disse Jefferson. A comerciante Iraci Mariano, 65, foi ao protesto acompanhada das irmãs. “Vamos continuar participando dos protestos sempre que chamarem, temos que lutar para que melhore”, disse. Os entrevistados não têm um candidato favorito ao pleito de outubro, mas muitos manifestantes foram vistos com camisetas em apoio ao deputado federal Jair Bolsonaro, pré-candidato a presidência pelo PSL. Integrantes do Partido Novo também marcaram presença, além do ex-coordenador do Vem Pra Rua e atual pré-candidato a deputado estadual pelo Podemos, Alexandro Timóteo, e o gestor da Unidade de Planejamento Urbano e Meio Ambiente (UGPUMA), Sinésio Scarabello.


Notícias relevantes: