Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

PSL suspende 5 deputados bolsonaristas e amplia poder de ala pró-Bivar

FolhaPress | 18/10/2019 | 15:58

Em mais um capítulo da guerra aberta no PSL, a ala ligada ao deputado Luciano Bivar (PE) aumentou nesta sexta-feira (18) sua representação no diretório nacional da legenda, anunciou a suspensão de cinco deputados bolsonaristas e confirmou trocas nos diretórios comandados pelos filhos do presidente Jair Bolsonaro. Em uma convenção realizada na manhã desta sexta em Brasília, foram eleitas 52 novas pessoas para o diretório nacional, que passou a ter 153 membros.

De acordo com parlamentares que acompanharam o encontro, a maioria dos novos integrantes -que têm direito a voto na eleição em novembro para a presidência do PSL- é alinhada a Bivar.O grupo bivarista anunciou ainda que cinco deputados que assinaram a lista para tentar destituir o deputado Delegado Waldir (GO) da liderança do PSL na Câmara serão suspensos das atividades partidárias. São eles: Carlos Jordy (RJ), Alê Silva (MG), Bibo Nunes (RS), Carla Zambelli (SP) e Filipe Barros (PR).

Eles não poderão, segundo Waldir, representar o PSL em nenhuma das atividades da Casa, incluindo a votação para líder da bancada. Com isso, o grupo ligado ao presidente da legenda espera neutralizar o movimento de substituição do delegado.
Por último, confirmaram que haverá trocas no comando do PSL nos estados do Rio de Janeiro e São Paulo, presididos respectivamente pelo senador Flávio Bolsonaro e pelo deputado Eduardo Bolsonaro, filhos do presidente da República.

“Nós tivemos agora a convenção do partido, a adequação do estatuto e complemento de quadros [no diretório] que eram mais do que necessários”, afirmou o senador Major Olimpio, líder do PSL no Senado. De acordo com o senador, na próxima terça-feira (22) parlamentares do PSL nos dois estados apresentarão a Bivar listas com as novas composições nas executivas estaduais, para que o presidente nacional do partido faça as trocas.

Antes do início da reunião do diretório, Olimpio já havia afirmado que as modificações seriam realizadas. “Há uma exigência dos parlamentares nos estados da total impossibilidade de se prosseguir. Um dos grandes problemas que gerou conflito do presidente com o partido foi o Eduardo Bolsonaro. Onde há insatisfação dos parlamentares do Rio, dizendo nós não queremos mais? Flávio Bolsonaro”.

Interlocutores disseram à Folha que, em São Paulo, o diretório do PSL será dividido entre os deputados Coronel Tadeu, Joice Hasselmann, Junior Bozzella e Abou Anni. Já a composição no Rio deve ser feita entre os deputados Felício Laterça, Professor Joziel, Lourival Gomes e Gurgel.

A suspensão dos cinco deputados é uma manobra para ajudar a permanência do atual líder da bancada na Câmara. Nesta quarta-feira (16) uma briga de listas foi iniciada para tentar retirar Waldir do comando da bancada e substitui-lo por Eduardo Bolsonaro (SP). O movimento da ala pró-Bolsonaro, porém, não foi bem sucedido porque a ala bivarista apresentou uma nova lista pedindo a manutenção do deputado no cargo.

Na quinta, eles anunciaram que voltariam a recolher assinaturas para tentar efetivar o filho do presidente como líder. Sem os cinco parlamentares suspensos, porém, o número de apoios em comparação com a primeira lista cai para 22 -são necessários 27 para a troca, de um total de 53 deputados da bancada do PSL.

Apesar de não ter sido suspenso, o deputado Daniel Silveira (RJ) pode sofrer outras sanções do partido. Waldir afirmou que o PSL representará contra ele no Conselho de Ética da Casa por quebra de decoro parlamentar e entrará na Justiça contra o parlamentar.

Silveira foi o deputado que gravou os colegas da ala pró-Bivar em reunião na Câmara nesta quarta. No áudio, o líder da bancada chama Bolsonaro de vagabundo e diz que vai implodir o presidente. “A alegria dele não sei se vai durar muito”, disse Waldir a jornalistas nesta sexta depois de reunião da Executiva do partido. “Vai ser solicitada apuração criminal e teremos sem dúvida a representação no Conselho de Ética. Com certeza os 513 parlamentares vão poder se posicionar se foi uma esperteza ou uma quebra de decoro parlamentar”, disse o líder.

Um dos suspensos, o deputado do Rio de Janeiro Carlos Jordy afirma que a medida mostra o caráter autoritário do atual comando do partido. “Isso foi mais uma demonstração de que nós temos que trocar o líder do partido, o comando do partido. Uma decisão arbitrária de uma pessoa autoritária que não quer ver seus desmandos sendo questionados”, afirmou à Folha por telefone.

Ele não participou da reunião na sede do partido em Brasília nesta sexta. Dos cinco suspensos, apenas a deputada Carla Zambelli esteve presente. Ela criticou ainda o anúncio de que haverá troca nos diretórios em São Paulo e no Rio. “Eu sou da base de São Paulo e não pedi a destituição do Eduardo”, disse.

“Eu acho que a gente tem que pacificar essa semana, é a prioridade, a liderança do partido na Câmara. Porque isso afeta nossa atuação em comissões, várias pessoas foram expulsas, então nossa preocupação maior é em relação a isso”, disse a deputada.
Ela disse que vários deputados que assinaram a lista de Waldir para a permanência procuraram o grupo bolsonarista para pedir a troca, e disse que há ainda a possibilidade de um terceiro nome ser proposto para o cargo.

Delegado Waldir disse ainda ao final da reunião que o partido questionará na Justiça se deputados bolsonaristas decidirem sair do partido. “Não tem acordo. O partido que possibilitou eles se elegerem. Se agora querem cuspir no prato do partido, que pulem do 17º andar”, declarou.


Link original: https://www.jj.com.br/politica/psl-suspende-5-deputados-bolsonaristas-e-amplia-poder-de-ala-pro-bivar/
Desenvolvido por CIJUN