Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Volta dos radares móveis não agrada parlamentares

Angelo Augusto | 13/12/2019 | 07:30

A Justiça Federal de Brasília determinou no início da semana que a Polícia Rodoviária Federal (PRF) retome integralmente a utilização de radares móveis nas rodovias federais de todos o país até o próximo sábado (14). O uso dos medidores de velocidade móveis e portáteis em rodovias fiscalizadas pela PRF estava suspenso desde agosto, por determinação do presidente Jair Bolsonaro, mas a medida foi derrubada.

Na quarta-feira (11), o juiz Marcelo Gentil Monteiro deu o prazo de 72 horas para que a PRF tome as providências necessárias para a volta da fiscalização eletrônica, sob pena, em caso de descumprimento, de multa diária de R$ 50 mil, a ser aplicada à União.

Na quinta-feira (12), Bolsonaro terminou à Advocacia Geral da União (AGU) que recorra da decisão judicial que impôs que o governo restabeleça a fiscalização de velocidade com radares móveis nas estradas federais. O presidente abriu ainda uma enquete em sua conta do Facebook perguntando se os cidadãos são favoráveis à volta dos radares.

Na última sessão ordinária da Câmara de Jundiaí – que aconteceu na terça-feira (10) – foi aprovada uma moção de autoria do vereador Edicarlos Vieira (PSD) de apelo ao governo do estado de São Paulo para que não haja radares móveis em locais de difícil visão nas rodovias paulistas.

A justificativa apresentada é a de que os dispositivos de fiscalização de velocidade, quando operados sem nenhum aviso e ocultos entre placas, árvores etc. servem apenas como meio de produzir multas e aumentar a arrecadação. A moção defende que antes dos radares deva ser colocada placa de sinalização para fazer com que o motorista reduza a velocidade.

O vereador Edicarlos comenta que os radares móveis apenas prejudicam os motoristas e não trazem melhoras no trânsito. “Já está provado que esses ‘radares pegadinha’ não funcionam: eles apenas fortalecem a indústria da multa, mas não promovem a educação no trânsito. Então fizemos a solicitação para que o governador retire todos esses dispositivos das rodovias do estado”, finaliza.

Bolsonaro também é um crítico do controle de velocidade e de outras formas de fiscalização desde quando era deputado federal. Ao justificar a suspensão dos equipamentos, disse que o propósito era o de evitar “o desvirtuamento do caráter pedagógico e a utilização meramente arrecadatória dos instrumentos e equipamentos”.

Ao reverter a determinação de Bolsonaro, o juiz da 1ª Vara argumentou que o despacho presidencial não observou o conjunto de normas do Sistema Nacional de Trânsito, previsto em lei.


Leia mais sobre |
Link original: https://www.jj.com.br/politica/volta-dos-radares-moveis-nao-agrada-parlamentares/
Desenvolvido por CIJUN