Acervo

Após 64 internações, jovem morre


T_Brendon4
Crédito: Reprodução/Internet
Já imaginou sentir uma dor muito forte durante meses, ir ao hospital na esperança de resolver o problema e não ter ao menos um exame solicitado? Foi assim a história do jovem Brendon Felipe Alves Moreira, que morreu no dia 9 de outubro, aos 23 anos, em decorrência de um câncer. A mãe do menino, Sônia Alves Rocha, acusa a Santa Casa de Louveira de negligência, pois, segundo ela, Brendon deu entrada 64 vezes no hospital e, em nenhum momento, foram solicitados exames. “Eles aplicavam injeções para dor e mandavam meu filho para casa, afirmando que o problema dele era hérnia de disco”, conta Sônia. A mãe já não sabia mais como ajudar o filho, que sofria com as dores e começou a perder o movimento das pernas, pediu ajuda a prefeitura de Louveira para interná-lo. “Nesse momento descobriram nele um tumor de 13 centímetros na coluna. O Brendon teve metástase nas pernas e no corpo”, afirma a mãe. Após a descoberta do câncer, Brendon foi encaminhado ao Hospital São Vicente, em Jundiaí e depois ao Grendacc. A oncologista Arianne Caramim, que atendeu o menino, informou que todos os procedimentos que estavam ao alcance foram realizados, mas o paciente não resistiu. “O paciente foi encaminhado pelo Hospital de Caridade São Vicente de Paulo a este serviço no dia 23 de fevereiro de 2018, com o diagnóstico de Sarcoma de Ewing em pelve. Na data, o paciente tinha 21 anos de idade. Por se tratar de uma patologia frequente em adolescentes, foi aberto uma exceção e iniciado o tratamento no Grendacc, onde o paciente recebeu toda assistência, mas veio a óbito no dia 9 de outubro deste ano”, explica a oncologista em nota. Sônia quer justiça. Conta que prometeu ao filho que sua morte não ficaria impune e por isso entrou com uma ação na Justiça contra a Santa Casa de Louveira. “Eles acabaram com a vida do Brendon. Não quero que esse caso seja esquecido até que alguém seja punido pela negligência. Ele era um filho maravilhoso e deixou duas crianças pequenas”, conta a mãe, que entrou em depressão após a perda do filho. “Estou tomando remédio controlado para encarar a situação”, completa. Procurada pela reportagem, a Santa Casa de Louveira não se manifestou sobre o caso.

Notícias relevantes: