Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Um passo a frente na mobilidade urbana

| 09/10/2014 | 07:10

Não é de hoje que mobilidade urbana está entre as principais pautas discutidas em todo o mundo, tanto para cidades de grande de pequeno porte. Problemas que vão desde o elevado volume de veículos automotivos, inviabilizando o trânsito; falta de segurança para pedestres e ciclistas; poucos investimentos nos transportes públicos coletivos; e problemas ambientais com aumento da poluição. Segundo relatório do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia, divulgado em 2013, de 2001 a 2012 houve um crescimento superior a 138,6% de veículos automotores no país, enquanto que o crescimento populacional, entre os dois últimos Censos demográficos (2000 e 2010), foi de 11,8%.

Itupeva, como uma das cidades da região com o maior crescimento industrial e populacional nos últimos anos (de 2000 a 2010 o crescimento ficou acima de 70%, mais do que o dobro da segunda cidade com maior crescimento no Aglomerado Urbano Jundiaí – AUJ), não está livre desse problemas, mas graças ao planejamento responsável, a cidade caminha para ser um destaque na região, com medidas e ações que podem minimar o impacto do crescimento e trazer mais segurança e qualidade de vida aos moradores.

“O que estamos promovendo na cidade é uma recuperação de anos de negligência, permitindo que a cidade tivesse um crescimento desordenado e caótico. Realizamos um estudo profundo da nossa situação e das necessidades e estamos investindo para que o crescimento seja responsável, para que a cidade possa se mantar pelas próximas décadas”, explica o prefeito de Itupeva, que também preside o AUJ, Ricardo Bocalon.
E ao que se refere à mobilidade urbana, pode-se dizer que a Prefeitura de Itupeva deu um passo importante rumo às melhorias, antecipando-se ao que tem acontecido em grande parte das principais cidades atualmente, que é chegar a uma situação de quase colapso urbano e precisar desesperadamente implantar medidas emergenciais para melhorar a mobilidade urbana: “Nossa administração tem um pensamento moderno e sabemos que o crescimento da cidade vai continuar, então é preciso investir em infraestrutura e ações que melhorem a mobilidade”, comenta o secretário de Desenvolvimento Urbano e vice-prefeito, Osmar Tozi. “Mas esses investimentos devem privilegiar formas alternativas de transporte e os pedestres. Desde o início do século 20, as cidades foram projetadas para privilegiar os automóveis, mas esse é um paradigma que precisamos mudar, seja investindo no transporte público coletivo, como também privilegiando pedestres e bicicletas, que é um meio de transporte saudável e que não agride o ambiente”, continua.

Projetos e Ação: Receita do Sucesso – Em 2012, foi aprovada a Lei Federal nº 12.587 de 2012, que trata da Política Nacional de Mobilidade Urbana e contém princípios, diretrizes e instrumentos fundamentais para o processo de transição, como dar prioridades aos meios de transporte não motorizados, por exemplo.
Ainda assim, a tarefa de promover mudanças significativas e enfrentar paradigmas não é fácil e passa por diversas fases, desde o planejamento até a execução e, principalmente, por um processo complexo e progressivo de aceitação: “Embora muitas pessoas sejam favoráveis às mudanças, existe uma parcela grande que ainda é resistente a abandonar o que já estamos acostumados, mesmo com todos os argumentos de melhorias”, aponta Tozi.

Segundo o secretário, a primeira fase da implantação do processo é fazer um estudo profundo da situação da mobilidade urbana na cidade, estudando as opções e buscando alternativas. “Esse estudo contempla ações de curto, médio e longo prazo”, explica. Com base nesse estudo, encontrar soluções que possam ser aplicadas também dependem de ações e intervenções em vários níveis. “Buscamos inspiração em bons exemplos de sucesso pelo mundo, visando implantar aqui”, completa.

E exemplos de soluções criativas não faltam pelo mundo. Em Medelim, na Colômbia, foram instaladas escadas rolantes no bairro de San Javier, que tem morros altos e de difícil acesso. Em Buenos Aires, na Argentina, a prefeitura fechou o centro da cidade e implementou o pedágio urbano. Em São Francisco, nos Estados Unidos, a prefeitura criou o sistema de “Vagas Vivas”, na qual os comerciantes participam de um edital, pagam uma indenização e, caso selecionados, obtêm o direito de ocupar o local. Em Londres, na Inglaterra, destaca-se a implantação do TFL (Transport for London), órgão responsável por implementar a estratégia de transporte e administrar os serviços existentes na região metropolitana da cidade com um conjunto de ações coordenadas, como a restrição do uso do automóvel privado no espaço urbano, gestão do sistema de bikesharing (compartilhamento de bicicletas ou bicicletas públicas para compartilhamento)na cidade e oferecimento de estacionamentos de bicicletas gratuitos para empresas londrinas que desejarem instalá-los para o uso de seus colaboradores.

No Brasil, os exemplos ainda são poucos. “Como iniciamos nossa administração há menos de 2 anos, ainda estamos no início de nossos projetos, mas já iniciamos uma grande obra na cidade, com a total reestruturação da Av. Emílio Checchinato, que vai começar a alterar o paradigma de nossos moradores”, afirma Tozi.

Avenida Emílio Checchinato: O primeiro grande passo – Quem passar pela cidade de Itupeva atualmente, vai encontrar uma das principais avenidas da cidade, a Emílio Checchinato, em obras. Devido à sua importância no município, ela foi escolhida pela Prefeitura para começar a implementar melhorias de mobilidade urbana, ao mesmo tempo que aproveita para enfrentar um problema antigo e recorrente de alguns pontos que margeiam o Rio Jundiaí e sofrem com o risco de enchentes a cada chuva.
Depois de realizar um projeto moderno e que busca beneficiar pedestres e ciclistas, ao mesmo tempo em que aprimora o trânsito, com segurança e qualidade, a Prefeitura iniciou uma grandiosa obra que, como deveria ser padrão nas obras desse porte, foi iniciada com um extenso e completo trabalho de infraestrutura. “Muitas das ruas de nossa cidade não contam com sistema de drenagem, o que aumenta o risco de enchentes em situações de fortes chuvas. Os mais afetados costumavam ser os moradores da região da Checchinato, como no bairro Vila São João, nas proximidades do córrego da Lagoa. E isso é uma coisa que contemplamos nessa intervenção que está sendo realizada tanto na avenida, quanto no próprio córrego”, explica o secretário de Desenvolvimento Urbano, se referindo à primeira fase do projeto de modernização da avenida, que consiste em instalar um sistema de drenagem com suporte para grande vazão de água e bocas de lobo espalhadas por todo o trecho. Ainda durante essa primeira fase, o córrego da Lagoa também passará por uma grande intervenção. “Primeiro foi realizada uma obra emergencial ao lado do Parque da Cidade para diminuir o risco de enchentes enquanto são realizadas as obras de longo prazo”, explica o secretário de Infraestrutura e Manutenção da Cidade, José Rodrigues Netto.

Cícero Petrica, secretário de Habitação, Obras e Urbanismo, dá mais detalhes desse projeto: “A vasão de água do córrego da Lagoa que passa pela avenida é muito baixa. Com essa obra, vamos quase triplicar essa capacidade. Além disso, também vamos interceder na forma como o córrego deságua no Rio Jundiaí, para que o rio ‘sugue‘ a água, ao invés de passar pelo risco de que ela volte e cause alagamento. É uma ação grande e complexa, mas que vai deixar bem próximo de zero o risco de enchentes”, detalha.
“Essas duas ações integradas, o alargamento no córrego e a implantação do completo sistema de drenagem, são bases importantes para cuidar da parte estrutural. Mas nosso projeto é muito mais ambicioso e vai muito além”, define Tozi, se referindo à fase seguinte da obra, que conta com nova pavimentação e novas calçadas, padronizadas, respeitando as leis de construção do município. “Tudo está sendo feito de forma regulamentada, como deveria ser padrão desde sempre na cidade, mas só agora está sendo seguido, o que vai garantir a qualidade da obra por muitos e muitos anos”.

Mas apenas investir no completo sistema de drenagem e nova pavimentação não são suficientes para as melhorias na mobilidade urbana, por isso o projeto da nova Avenida Emílio Checchinato também compreende calçadas padronizadas e seguras para os pedestres, iluminação decorativa, arborização, pontos de paradas separadas para os ônibus; para que não atrapalhem o fluxo do tráfego; e uma ciclofaixa que, na avaliação de Tozi, vai ser um grande passo para começar a mudar os hábitos dos itupevenses e promover a mudança necessária: “Com uma calçada segura para os pedestres e uma ciclofaixa onde os ciclistas podem trafegar também com segurança, acredito que as pessoas começarão a mudar seus hábitos e usarão menos os carros para se deslocarem de um local a outro. Hoje a avenida não oferece segurança adequada para nenhum dos meios de transporte, seja o carro, a bicicleta ou o pedestre. Mas com essas melhorias, acredito que muitas pessoas vão aderir às novas opções”, destaca o secretário, completando que durante as obras, a Prefeitura tem seguido à risca seu ideal de cuidar das pessoas e contar sempre com a participação popular, lembrando que todas as quintas-feiras são realizadas reuniões abertas à população no Paço Municipal, para que qualquer pessoa possa levar suas considerações e buscar informações sobre o andamento da avenida.

Obras hoje, com visão para o futuro – Embora essa seja a principal obra para melhoria de mobilidade urbana e mudança de paradigmas na cidade, a Prefeitura de Itupeva tem muitos planos e projetos para fazer da cidade uma referência no assunto. “A Checchinato é nossa maior obra no momento, uma realização grande e que levará vários meses. É óbvio que não podemos realizar tudo ao mesmo tempo, mas nosso objetivo é continuar investindo pesado nessa área. Nosso sonho é poder ligar uma ciclofaixa pela Nelson Gulla, que ainda esse ano também vai receber nova pavimentação, seguindo até o Rio das Pedras e o bairro Quilombo. Priorizar os pedestres no centro, o que traria segurança e também beneficiaria os comércios, temos muitos bons exemplos de lugares onde isso foi feito com ótimos resultados para todos, para o ambiente, para os comerciantes e para as pessoas”, detalha o prefeito Bocalon. “A certeza que eu tenho é que nosso trabalho está sendo realizado com qualidade, responsabilidade e visão no futuro. E se depender da nossa determinação, Itupeva continuará crescendo cada vez com mais qualidade para seus moradores e buscando uma melhoria constante”, finaliza. 


Link original: https://www.jj.com.br/regiao/um-passo-a-frente-na-mobilidade-urbana/
Desenvolvido por CIJUN