Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Jundiaiense conta como foi trabalhar na Índia

| 13/10/2014 | 10:21

A Índia é um país místico, milenar e com diversidades culturais marcantes. Durante 3 meses de trabalho voluntário com crianças carentes de um subúrbio de Kolkata (Calcutá), na Índia, pude provar as diferentes formas com as quais os indianos lidam com atividades diárias e com a vida.

No tempo em que estive trabalhando e viajando pelo país percebi que a palavra rotina não existia, já que todo dia era marcado por uma nova descoberta. A certeza que fica é que se você pretende ir para a Índia, vá de mente aberta para enfrentar o choque cultural e leve tudo como um grande aprendizado, pois caso contrário você não terá a energia necessária para sobreviver a tanta adversidade.

A Índia tem mesmo muita gente – Provável que você tenha lido algum livro ou visto em algum documentário que na Índia existem mais de 1,2 bilhões de pessoas atualmente, ou seja, aproximadamente 17% de toda a população mundial. O fato é que existem muitas pessoas no país e andar pelas ruas sem esbarrar em ninguém se torna algo quase impossível.

O transito está presente em todo lugar – Você ainda reclama do trânsito de São Paulo? Imagine juntar ruas sem sinalização com motoristas que se parecem mais com kamikazes. A regra do trânsito na Índia é não ter regras. A única certeza que domina entre os motoristas é buzinar! Buzinar para seguir em frente, buzinar para dar setas e buzinar para parar. Junte todo esse caos à pedestres, táxis, ônibus, tuk-tuks (espécie de triciclo motorizado) que você tem um cenário do trânsito indiano. E não se esqueça das vacas!

Vacas? – Você encontrará vacas por todo lado. O animal é considerado sagrado na Índia pelo Hinduísmo (religião seguida por cerca de 80% da população), por ser a montaria do deus Shiva, um dos mais reverenciados no país. Por isso não irá encontrar churrascarias na Índia. Você se arrisca a convidar um Hindu para comer churrasco?

Barganhar e barganhar – Pensando em fazer compras? O hábito de barganhar é essencial para quem deseja adquirir algum produto com camelôs indianos. Agora se for comprar algum produto em supermercados ou lojas de conveniência, fique esperto com a embalagem. Os produtos embalados têm discriminado o preço. Sempre que comprar algum item embalado, preste atenção no preço antes de compra-lo, pois alguns vendedores podem tentar enganá-lo.

Chai – O chá indiano é uma mistura de chá e leite, e é tomado por todos, em qualquer lugar. O hábito trazido pelos ingleses, que colonizaram o país durante muitos anos, perdura até hoje. Então fique preparado para escutar “Chai, chai, chai, chai!” enquanto estiver andando pelas ruas.

Matheus Pinheiro de Oliveira e Silva é jundiaiense de 23 anos, turismólogo e cidadão do mundo. Já morou 1 ano na Indonésia e viajou por 14 países. Atualmente é empreendedor social na Agruppa. É gerador de conteúdo e mantém a fanpage do GÜD. No Instagram: ma_tai.

Na próxima segunda (20), mais sobre a vida de Matheus na Índia. Fiquem ligados!


Link original: https://www.jj.com.br/turismo/jundiaiense-conta-como-foi-trabalhar-na-india/
Desenvolvido por CIJUN