Últimas

Funcionário público de SP que rejeitar vacina não vai poder ficar em home office

O processo de desmontagem do home office dos funcionários públicos não vai deixar que os não vacinados fiquem em casa


Marcelo Camargo/Agência Brasil
Teletrabalho, home office ou trabalho remoto.
Crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O processo de desmontagem do home office dos funcionários públicos do governo de São Paulo não vai deixar que os não vacinados fiquem em casa, nem os que se negaram a tomar vacina nem os que estão na faixa etária ainda sem acesso ao imunizante.

Todos devem voltar, conforme o planejamento de cada órgão, com exceção dos funcionários que fazem parte do grupo de risco e ainda não estiverem vacinados.

A secretaria de Educação e a de Segurança Pública, que já oficializaram as medidas para o retorno, definiram que quem não tomou a vacina por opção deve voltar ao trabalho presencial assim mesmo. Ficam, por ora, dispensados da volta os funcionários que não puderam se imunizar por orientação médica.

A Secretaria de Agricultura e Abastecimento também já sinalizou que vai chamar todos os profissionais de volta.

A orientação diverge da Casa Militar e Defesa Civil, que afirma que as atividades presenciais retornam totalmente a partir de 26 de julho, depois que todo o efetivo estiver imunizado com a segunda dose há pelo menos 20 dias.

No setor privado, a presença de pessoas não vacinadas ao lado de outros trabalhadores ainda levanta dúvidas entre empresários que preparam a retomada dos escritórios.

No governo, a questão já vinha sendo tratada há meses por João Doria. Desde o fim de abril, quando foram vacinados os trabalhadores do Metrô e da CPTM, o governador decidiu que não adotaria nenhuma medida para obrigar quem se recusasse a ser imunizado.

As empresas prestadoras de serviços como manutenção e limpeza dos trens, que também entraram no cronograma de maio, tinham dúvidas se precisariam afastar quem rejeitasse a vacina.


Notícias relevantes: