Últimas

Onça atropelada no Paraná passa por tratamento com células-tronco


Mari é um filhote de onça-parda que foi atropelada em uma rodovia do Paraná. Depois de resgatada e submetida ao tratamento usual para esses casos, a evolução da oncinha estacionou, deixando o animal com muitas sequelas neurológicas. 

E justamente para tentar reverter esse quadro, o hospital veterinário do Centro Universitário Filadélfia (UniFil), no Paraná, iniciou um tratamento inovador com células-tronco. A médica veterinária responsável pelo procedimento, Mariana Consenza, explicou que o material genético veio de um laboratório de São Paulo e que a expectativa de sucesso é muito boa.

"A nossa expectativa é de que ela [Mari] evolua positivamente e que isso [o tratamento] faça com que ela tenha uma melhora de qualidade de vida. Que ela consiga, então, subir em árvores sozinha, que ela consiga caminhar tranquilamente", disse Mariana.

Ouça na Radioagência Nacional

Mariana Consenza conta que a rodovia onde a onça foi atropelada registra muitos acidentes com animais silvestres e que um tratamento como esse pode ajudar a minimizar as sequelas sofridas por esses bichos além, claro, de um trabalho de prevenção. A veterinária explicou que a ideia agora é levar esse tipo de procedimento para outros animais, melhorando a qualidade de vida deles. 

"Passar a fornecer esse tratamento em situações que ocorram, que venham a chegar aqui no hospital da UniFil, quando exista sequelas neurológicas ou situações de lesões importantes de tendão, articulação

A onça-parda foi tratada no Centro de Atendimento à Fauna Silvestre da UniFil, em Londrina, em parceria com o Instituto Água e Terra.


Notícias relevantes: