Últimas

Doses da Coronavac suspensas pela Anvisa serão substituídas

Substituição será por vacinas produzidas em um laboratório da Sinovac já inspecionado


Divulgação
Doses da Coronavac suspensas pela Anvisa serão substituídas
Crédito: Divulgação

O governador João Doria afirmou que as doses de Coronavac suspensas pela Anvisa serão substituídas por vacinas produzidas em um laboratório da Sinovac já inspecionado pela agência reguladora. A informação já tinha sido divulgada por Doria na terça (14).

O Instituto Butantan entrega 5,1 milhões de doses da Coronavac nesta quarta-feira (15). Com o novo lote, o instituto conclui a entrega das 100 milhões de doses contratadas pelo Ministério da Saúde.

Dimas Covas, diretor do Butantan, disse esperar que o uso da Coronavac seja ampliado para públicos mais jovens. "Crianças estão sendo vacinadas no Chile, na África do Sul e na Indonésia. Em breve, esperamos vacinar crianças aqui também", afirmou.

Covas falou ainda que dados do Ministério da Saúde mostram que o número de mortes entre idosos com mais de 70 anos caiu 88% no Brasil. "A maior parte dos idosos nessa faixa etária tomou Coronavac", disse o diretor do Butantan.

Regiane de Paula, coordenadora do Programa Estadual de Imunizações, afirmou que todas as pessoas com 65 anos ou mais já receberam as duas doses da covid-19 em São Paulo. Ela espera atingir 100% da cobertura no grupo de 60 a 64 anos nos próximos dias.

Na área da Economia, Doria anunciou que o Estado fará oito mil obras. Entre elas estão a linha seis do Metrô e a despoluição do rio Pinheiros.

Outra medida anunciada é o programa Retoma São Paulo, que reduzirá o ICMS do setor de bares e restaurantes para 3,2%, gerando economia de cerca de 13%.

Doria atualizou os valores doados pelo Grupo Empresarial Solidário de São Paulo. Segundo o governador, 314 empresas doaram R$ 2.043.731.000,00 desde o início da pandemia. Até o momento, São Paulo já registrou 4.301.525 casos de covid-19 e 147.444 mortes em decorrência da doença. A ocupação dos leitos de UTI é de 33,1% no Estado e 38,8% na região metropolitana.


Notícias relevantes: