Últimas

Mais de 540 mil pessoas não tomaram a 2ª dose da vacina em São Paulo


Divulgação
Prefeitura de SP cruza dados de servidores para saber quem tomou vacina
Crédito: Divulgação

A capital paulista tem 540.635 pessoas acima de 18 anos que deixaram de tomar a segunda dose da vacina contra Covid-19, segundo Prefeitura de São Paulo, gestão Ricardo Nunes (MDB), por meio da Secretaria Municipal da Saúde.

Em nota à reportagem, a pasta afirma que a zona sul da capital é a região com mais faltosos, com 136.941 munícipes. A zona leste vem na sequência, com 129.253, seguido da sudeste, com 106.758.

Para completar o total, outras 100.077 pessoas são esperados para receberem a segunda dose na zona norte, 34.406 na zona oeste e 33.200 na região central.

A secretaria afirma que tem fortalecido a busca ativa para ajudar a compreender as causas de tal ausência.

"Podem ser desde uma mudança de endereço, a espera por um acompanhante para ir ao local de vacinação e, até mesmo, um esquecimento", afirma.

Ainda segundo a gestão municipal, a relação de pessoas que ainda não completaram o ciclo vacinal é extraído do sistema VaciVida e é realizado o georreferenciamento entre o endereço da pessoa e a UBS (Unidade Básica de Saúde) mais próxima dele. Então, os profissionais da unidade entram em contato para orientar sobre a importância da vacinação correta, além de verificarem os motivos da abstenção.

A pasta também conta com equipe do programa Estratégia Saúde da Família e com visitas casa a casa para este esforço.

O sistema VaciVida avisa ao munícipe, via celular, a chegada do prazo de sua segunda dose da imunização.

O médico sanitarista e ex-presidente da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), Gonzalo Vecina, acredita no esquecimento das pessoas e defende uma busca ativa da prefeitura.

"Se a pessoa foi tomar a primeira dose da vacina, não significa que é um negacionista e que não quer tomar a vacina", diz Vecina à reportagem.

"A explicação mais importante é que a pessoa esqueceu a segunda dose ou não sabia por não ter informação suficiente, apesar de tudo que se fala. No limite, as UBSs devem buscar ativamente as pessoas que não completaram o ciclo vacinal", ressalta o especialista.

O líder do departamento de infectologia do Hcor, de São Paulo, Guilherme Furtado, destaca a importância das pessoas completarem totalmente a imunização.

"A vacinação com uma dose só, mesmo com vacinas que tenham uma resposta vacinal importante, produz uma baixa dose de anticorpos, em torno de 50%, e não deixa a pessoa protegida totalmente", afirma Furtado.

O professor de infectologia do Centro Universitário São Camilo, Robert Fabian Crespo Rosas, diz que a falsa ideia que a pandemia de Covid-19 acabou também contribui para as pessoas não voltarem para tomar a segunda dose.

"O fato de ter ocorrido um declínio do número de casos e óbitos têm levado a ideia de que a pandemia passou, mas isso não é real, não acabou", ressalta Rosas.

"No país, ainda tem metade da população sem nenhuma dose da vacina. Portanto, aproximadamente 107 milhões de brasileiros estão suscetíveis a adquirir a doença", completa o médico.


Notícias relevantes: