Últimas

Justiça mantém indenização à família de dançarino morto no Rio


O governo do estado do Rio de Janeiro terá que pagar R$ 250 mil à família do dançarino Douglas Rafael da Silva Pereira, o DG, morto durante operação da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP), em 2014, na favela Pavão-Pavãozinho. A decisão, divulgada nesta segunda-feira (1º), é da 17ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça (TJ), que rejeitou o recurso do governo do estado contra a sentença.

Na época, Douglas trabalhava na Rede Globo como dançarino do programa Esquenta, apresentado pela atriz Regina Casé. Em sua apelação, o estado não contestou a obrigação de indenizar os familiares da vítima, mas pediu a redução do valor arbitrado pelo dano moral, como também a exclusão da condenação ao pagamento das despesas do funeral.

Os desembargadores concluíram por manter o montante estabelecido na sentença de R$ 100 mil para a mãe, Maria de Fátima; R$ 100 mil para a filha, Laylla Ignacio, e R$ 50 mil para Bruna Leal, sobrinha de Douglas, com quem ele também morava.

Tudo devidamente atualizado com juros e correção.

A decisão também estipulou, a título de pensão mensal, que a mãe e a filha dividirão, na proporção de 50% para cada uma, o correspondente a dois terços do salário recebido em vida por Douglas.

O jovem foi morto em 22 de abril de 2014, durante um tiroteio envolvendo policiais na comunidade, o que gerou diversos protestos à época.


Notícias relevantes: